Incêndio atinge Cinemateca Brasileira

Cinemateca

Um incêndio atingiu o prédio da Cinemateca Brasileira, em São Paulo, na madrugada desta quarta-feira (03/02), destruindo cerca de mil rolos de filme antigos, segundo o Ministério da Cultura (MinC). Não houve vítimas.

O fogo atingiu apenas a câmara 3 do depósito de filmes, onde estão as obras de nitrato de celulose, que é inflamável e, por isso, fica em local afastado do restante do complexo. O material é característico da produção de películas brasileiras até a década de 50. Segundo nota do MinC, dos mil rolos de filme destruídos, 17 eram de curtas-metragens, e o restante, de cinejornais.

“O nitrato de prata torna o material autoinflamável, por isso o galpão já era isolado. Felizmente, quase todo o material perdido tem cópias que correspondem diretamente aos originais, sem perda de qualidade”, afirmou João Brant, secretário-executivo do ministério.

Brant também se pronunciou no Facebook para lamentar o ocorrido. “Estamos em um trabalho de reestruturação da Cinemateca. Ontem mesmo assinamos dois contratos que materializam essa retomada, e agora essa tragédia”, escreveu.

O Corpo de Bombeiros foi chamado por volta das 5h30 (no horário local) e enviou oito viaturas ao local para combater o fogo e resfriar os prédios vizinhos. Segundo o Minc, às 6h20, o fogo já havia sido controlado.

O ministério informa que as causas do incêndio ainda estão sendo apuradas. De acordo com o jornal Folha de São Paulo, há suspeitas de que o forte calor que atingiu a cidade nesta semana pode ter provocado a combustão espontânea dos rolos.

Ainda não há informações a respeito da existência, tipo ou condições dos equipamentos de prevenção e combate a incêndio no local atingido pelo fogo.

Com o maior acervo de imagens em movimento da América Latina, a Cinemateca Brasileira abriga cerca de 200 mil rolos de filmes, que correspondem a 30 mil títulos, tanto nacionais quanto estrangeiros, produzidos a partir de 1895. O prédio fica no bairro de Vila Clementino, na zona sul de São Paulo.

Tragédia da Kiss completa 3 anos

Incêndio Boate Kiss

O trágico incêndio da boate Kiss, ocorrido no munícipio de Santa Maria, na Região Central do Estado do Rio Grande do Sul, completa nesta quarta-feira (27) três anos. Na madrugada de 27 de janeiro de 2013, centenas de jovens foram intoxicados pela fumaça produzida pela queima de uma espuma acústica após o vocalista da banda que tocava na festa “Agromerados” ter acendido um artefato pirotécnico dentro do estabelecimento. A tragédia terminou com 242 mortos e mais de 600 feridos.

O local tinha capacidade para 691 pessoas, mas a suspeita é que mais de 800 estivessem no interior do estabelecimento. Os principais fatores que contribuíram para a tragédia, segundo a polícia, foram: o material empregado para isolamento acústico (espuma irregular), uso de sinalizador em ambiente fechado, saída única, indício de superlotação, falta de equipamentos adequados para combate a incêndios e exaustão de ar ineficiente.

Para os familiares das vítimas, o que realmente vai marcar os três anos da tragédia é a busca pela responsabilização dos agentes públicos com um processo na Corte Interamericana de Direitos Humanos, alegando a violação do direito à Justiça por parte do Estado brasileiro.

A denúncia, que deve ser protocolada no mês que vem, e que será apresentada para as famílias das vítimas na tarde desta quarta-feira (27), será encaminhada ao tribunal da Organização dos Estados Americanos (OEA) sob alegação de que não houve processo judicial contra nenhum agente do Estado envolvido na tragédia.

A notícia sobre o processo que será movido pelos familiares veio no mesmo dia em que um dos réus no processo – Elissandro Spohr, o Kiko, um dos sócios da boate – anunciou que vai processar agentes e órgãos públicos por terem permitido que sua boate funcionasse, sem que fosse realizada uma fiscalização efetiva da situação, o que, segundo ele, apontaria os problemas da casa noturna.

Conferência Fire Splinkler Américas

Medellin

Você está convidado para a Segunda Conferência Incêndio Sprinkler Américas, programada para os dias 24 e 25 de fevereiro de 2016, na bela cidade de Medellín, Colômbia.

O evento, organizado pela IFSA – International Fire Sprinkler Association, terá dois dias de apresentações informativas e aulas de treinamento tratando de assuntos como CPVC, desenho de projetos, sistemas especiais de aspersão, atualização de fichas técnicas FM, entre outros.

Um acontecimento imperdível, de grande valor para o aprimoramento profissional de quem atua no segmento.

Não deixe de participar.

Mais informações e inscrições:
http://bit.ly/FSAColombia

Agenda: http://www.abspk.org.br/evento/fire-sprinkler-americas-conference-2016-colombia/

Folder informativo: clique aqui para fazer o download.

ABSpk elege nova diretoria

Almoço Fim de Ano 2015

No dia 04 de novembro, foi realizada a Assembleia Geral Extraordinária para eleição da nova Diretoria Executiva e do Conselho Deliberativo para o Biênio 2016/2017. A chapa composta por João Carlos Wollentarski Júnior, da IPE Consultoria, Felipe Decourt, da Skop, e Felipe Melo, da ICS Engenharia, foi eleita. Os executivos assumiram a gestão, respectivamente, como Diretor Presidente, Diretor Vice-Presidente e Diretor Financeiro. Em sua primeira apresentação oficial, ocorrida durante o almoço de confraternização da entidade (foto), em 16 de dezembro, em São Paulo, a nova diretoria da ABSpk relacionou algumas de suas primeiras ações.

“A última gestão realizou grandes propósitos da entidade. Um dos mais valorosos foi o de iniciar ao programa de capacitação técnica da ABSpk. Para este ano, além de replicar o curso da NFPA 13 pelo País, traremos novos cursos da NFPA 20 e 25”, antecipou Wollentarski Júnior.

Dando continuidade à estratégia para geração de oportunidades de integração e negócios com entidades e empresas de todo o mundo, a ABSpk terá uma participação de destaque na FSA Conference, em fevereiro, na Colômbia. Discorreremos sobre o mercado brasileiro de sprinklers e como a associação vem atuando para fortalecê-lo”.

A ABSpk promoverá em diferentes localidades do Brasil o Side by Side Burn. Primeiro a ser realizado na América do Sul, o projeto tem lançamento oficial previsto para fevereiro, terá um ensaio no evento Fire Days, do Corpo de Bombeiros da Polícia Militar do Estado de São Paulo, de 15 a 17 de março, e tem edições programadas em quatro Estados, neste ano.

Outro desafio para a nova diretoria será o 2º Congresso Brasileiro de Sprinklers. “O CBSpk já está sendo organizado e será na cidade do Rio de Janeiro, em outubro. Temos muita expectativa e muito trabalho pela frente para que a ABSpk, mais uma vez, realize um grande evento”, afirma o presidente.

Com a publicação no final do ano passado da NBR 16400, Norma Brasileira de ensaio e especificação de Sprinklers, a ABSpk está buscando melhorar a integração com o Inmetro. “Nosso objetivo é obter uma participação cada vez mais significativa nas diretrizes do Programa de Análise da Qualidade de Produtos”.

O presidente exalta a importância da participação dos associados nas iniciatívas da ABSpk. “Grandes desafios nos aguardam em 2016. A cada ano, fica mais evidente que juntos somos mais fortes. Acessem o site, leiam a newsletter e mantenham os e-mails atualizados. Desejamos alcançar ao lado de nossos associados um ano repleto de crescimento”, encerra.

Capacitação técnica ABSpk estreia com sucesso

Capacitacao Técnica ABSpk

A ABSpk promoveu em novembro seu primeiro curso de capacitação técnica: “Projeto e Cálculo Hidráulico de Sistemas de Sprinkers Padrão NFPA 13”, com foco na utilização da norma NFPA 13 e referência à NBR 10897/2004 (Proteção contra Incêndio por Chuveiro Automático).

Realizado na sede do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), na Universidade de São Paulo (USP-SP), o curso foi distribuído em oito módulos ao longo de três dias, e teve 50 participantes. Destes, 86% avaliaram a capacitação técnica como Ótima.

“Foi um curso muito bom, pois pude aprofundar o conhecimento sobre sprinklers com ótimos instrutores que dominavam o assunto e davam exemplos reais sobre o que acontece na confecção de um projeto. O curso também foi importante, pois pude adquirir contato com profissionais da área de diversos Estados do Brasil”, declarou Henrique Oliveira, que atua como orçamentista na Ecosafety.

A experiência positiva deve se replicar ao longo de 2016 em outras capitais. Em março, o curso NFSA NFPA 13 será realizado em Curitiba (PR); em maio, será a vez do Nordeste e Centro Oeste; em agosto, será repetido em São Paulo (SP); e, em outubro, no Rio de Janeiro (RJ), como parte da programação técnica que antecede o CBSpk 2016.

A ABSpk promoverá, ainda, uma nova capacitação focada na utilização das normas NFSA NFPA 20/25. A primeira turma será treinada em São Paulo (SP), em abril, e a segunda no Rio de Janeiro (RJ), também no pré-congresso.

As datas dos cursos já estão previstas na programação de eventos da ABSpk. Acompanhe mais informações e a disponibilização do formulário para inscrições pelo nosso site.

ABSpk marca presença na 1ª reunião da Frente Parlamentar

O gerente executivo da ABSpk, José Carlos Paiva, representou a entidade na primeira reunião da Frente Parlamentar Mista de Segurança Contra Incêndio, realizada no dia 10 de novembro, em Goiânia (GO). No início do encontro, ressaltou-se a importância da formação da Frente Parlamentar como espaço de discussão no Congresso Nacional sobre a problemática de incêndios no Brasil, com destaque para o papel do Conselho Consultivo de propor ações para os parlamentares da Frente.

Os temas abordados referiram-se ao estabelecimento de prioridades e métodos de atuação da Frente: criação de um calendário periódico de reuniões em 2016; realização do levantamento dos atuais Projetos de Lei em tramitação no Congresso Nacional para identificação dos prioritários; e elaboração dos Temas de Trabalho para 2016, por meio do envio de um resumo das propostas para avaliação dos membros do Conselho e, posteriormente, apresentação à Direção Executiva em forma de recomendação.

Foram mencionados como prioritários temas como: criação do modelo de Código de Proteção Contra Incêndio; apoio à inclusão de orçamento específico para a 3ª fase do programa Brasil sem Chamas no Plano Plurianual de 2016; criação de cursos técnicos e de nível superior direcionados à formação de técnicos e engenheiros de segurança contra incêndio; e a certificação de produtos de prevenção e combate a incêndios. Esta última, pauta fortemente defendida pela ABSpk.

ABSpk marca presença no 3° workshop do GSI

Terceiro Workshop GSI

No dia 15 de outubro foi realizado em São Paulo o 3° workshop do Grupo de Fomento à Segurança Contra Incêndio (GSI) – Confiabilidade do sistema de segurança contra incêndio no Brasil. O evento foi composto por cinco painéis: Balanço das atividades na área 2014/2015; Aprendizados do Incêndio na Alemoa (Santos/SP); Novo Decreto Estatual de Segurança contra Incêndio do Estado de São Paulo; Qualidade dos Sistemas Prediais de Segurança Contra Incêndio; e Certificação de Produtos, Sistemas e Serviços de Proteção Contra Incêndio. Neste último, o presidente da ABSpk, Jonas Pachciarek Roter, enumerou a postura mais atuante que a entidade assumiu ao longo dos últimos quatro anos, inclusive, envolvendo seus associados.
 
“Por meio de uma participação mais ativa da ABSpk no CB-24 – Comitê Brasileiro de Segurança Contra Incêndio (ABNT) – obtivemos pequenas conquistas, como a revisão e a aprovação de normas que abordam a instalação de chuveiros automáticos. Temos discutido ativamente com o mercado a necessidade de certificação de ponta a ponta dos produtos. Mesmo para um instalador, que manipula diariamente um sprinkler, fica difícil identificar visualmente se um equipamento é ou não certificado. É preciso que tenhamos uma forma de garantir o chuveiro automático desde a sua origem, ainda na produção, não apenas fazer um teste de funcionamento. E continuamente investimos e apoiamos a difusão de informação e educação dos profissionais, usuários e empresas do segmento, participando e promovendo eventos e, a partir de agora, treinamentos na própria entidade”, resumiu Roter.

ABSpk traz com exclusividade ao Brasil os cursos da NFSA

NFPA 13

A ABSpk dará início em novembro ao primeiro treinamento técnico para atualização e aperfeiçoamento de profissionais interessados em adquirir conhecimentos na área de projetos de incêndio. Trata-se do mais abrangente curso do mercado, com a metodologia e materiais oficiais da National Fire Sprinkler Association (NFSA). A ABSpk oferecerá com exclusividade no Brasil os cursos: NFPA 13/NBR 10897 – Sprinkler e Cálculo Hidráulico, com duração de três dias; NFPA 20 – Bombas de Incêndio, em dois dias; e NFPA 25 – Inspeção e Manutenção de Sistemas de Sprinklers, em um dia.

Os cursos serão realizados inicialmente na sede do Instituto de Pesquisas Tecnológicas (IPT), na Universidade de São Paulo (USP-SP). Mas já estão previstas turmas em Porto Alegre (RS), Belo Horizonte (MG), Rio de Janeiro (RJ) e Recife (PE).

Baixada Santista pode ganhar núcleo de combate a incêndio

Incêndio Santos Terminal Ultracargo

Carta Santos, documento elaborado para analisar o incêndio que atingiu o terminal da Ultracargo, na Alemoa, em abril deste ano, foi divulgada no último dia 04/06 (quarta-feira) com a proposta da criação de um núcleo regional com recursos e equipamentos necessários para combate a incêndios semelhantes – ou de maiores proporções. O episódio foi considerado o maior do Brasil.

O documento é resultado de um seminário que reuniu engenheiros, técnicos, autoridades, bombeiros e representantes dos poderes municipal, estadual e federal para discutir as causas do incidente na Alemoa, que destruiu seis tanques de armazenamento de líquidos.

Ao todo, foram oito tópicos descritos. Entre eles, destaca-se a proposta de equipar o Plano de Auxílio Mútuo (PAM) da Baixada Santista, de modo a possuir estrutura para conter ocorrência idêntica. As empresas serão as responsáveis por essa preparação.

“Ficou claro que os bombeiros sozinhos não seriam capazes de apagar aquele fogo. Eles admitiram isso e afirmaram que os equipamentos disponíveis hoje são para incêndios fora de zonas industriais”, lembrou o presidente da Associação dos Engenheiros e Arquitetos (Aeas), Ademar Salgosa.

Na ocasião, o coordenador operacional do Corpo de Bombeiros de São Paulo, coronel Cássio Roberto Armani, destacou o fato para A Tribuna. Ele sugeriu que as empresas que trabalham com produtos químicos da região possuam estrutura semelhante à da Petrobras, que ofereceu auto-bombas e canhões d’água de alta pressão para ajudar a conter o incêndio na Alemoa.

Armazenamento

Outro ponto discutido foram as regras para o armazenamento desses produtos. No caso da Ultracargo, no mesmo dique de contenção havia álcool e gasolina, o que dificultou os trabalhos. “Aplicar o líquido gerador de espuma (LGE) para cada material requer cuidado. Estava tudo junto, o que atrapalhou a eficácia”.

Também consta da carta o pedido de revisão das normas e regras para instalação, armazenamento e manuseio dos inflamáveis na Baixada Santista. A Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT), atendendo ao documento, iniciará os trabalhos este mês.

A Carta será entregue em Brasília, no Ministério dos Portos, e a outros interlocutores, como agentes da Defesa Civil, Corpo de Bombeiros, prefeituras e associações representativas de terminais e instalações químicas, além das próprias empresas. A expectativa é de que as propostas saiam do papel este ano. Em setembro, um novo congresso deverá discutir o assunto.

Confira as propostas

1. Revisar e aprimorar constantemente: legislação, normas e regulamentos pertinentes, de maneira a harmonizá-los, eliminando redundâncias e discrepâncias; e garantir condições de segurança operacional e ambiental, mediante projetos e tecnologias; dimensionamento de estruturas e distanciamentos; além de definir recipientes apropriados, entre outros;

2. Aprimorar a integração entre governos, órgãos normativos e iniciativa privada, via planos de auxílio mútuo de múltiplas abrangências, e criação de núcleos regionais, que centralizem dados sobre recursos disponíveis e mecanismos de acionamento;

3. Criar núcleos regionais destinados ao armazenamento de recursos necessários ao combate a sinistros similares, estrategicamente localizados, de forma a assegurar acionamento ágil e eficiente quando da ocorrência de incidentes;

4. Estabelecer planos e ações integradas entre governos e iniciativa privada, objetivando melhoria da acessibilidade e mobilidade em caso de sinistros, eliminando conflitos entre modais de transporte e assegurando rotas de fuga e evacuação eficientes;

5. Diversificar a matriz nacional de transportes, sobretudo no que se refere a acessos a áreas de relevância estratégica, de forma a reduzir os impactos de eventuais sinistros sobre a atividade econômica;

6. Tornar obrigatória a capacitação continuada dos profissionais de órgãos públicos de segurança pertinentes e do quadro de empresas que produzam, transportem, armazenem, empreguem ou prestem serviços envolvendo produtos perigosos, para ações em caso de sinistros, incluindo a responsabilidade;

7. Estudar a criação de um fundo nacional destinado ao combate emergencial de sinistros de grande magnitude;

8. Acompanhar de forma permanente as discussões e realizar novos eventos similares nas diversas regiões do Estado e nos diversos estados do País, e criar um fórum nacional permanente.

(Fonte: A Tribuna – 04/06/2014)

Governador sanciona lei que amplia poder de fiscalização dos bombeiros – SSP/SP

Vistoria Bombeiros

O governador Geraldo Alckmin sancionou o Código Estadual de Proteção Contra Incêndios e Emergências de São Paulo, que fortalece o poder do Corpo de Bombeiros para fiscalizar a segurança de imóveis e credenciar bombeiros civis e guarda-vidas. A Lei Complementar 1.257/15 foi publicada nesta quarta-feira (7), no Diário Oficial do Estado (DOE).

A medida permite que os bombeiros vistoriem locais sem que o proprietário solicite. Caso não esteja de acordo com as normas de prevenção contra incêndios ou haja algum problema estrutural que comprometa a segurança, o dono do imóvel pode ser advertido, multado e ter o Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros (AVCB) cassado.

“Os bombeiros poderão aplicar multas, que é um poder de polícia que a corporação não tinha antes”, afirmou o coronel Marco Aurélio Alves Pinto, comandante do Corpo de Bombeiros.

Atualmente, o Corpo de Bombeiros só pode fiscalizar estabelecimentos e prédios que tenham solicitado o AVCB ou em casos de emergência.

A corporação também poderá interditar temporariamente o local – caso haja risco iminente de incêndios ou desabamentos – ou pedir para a administração municipal a interdição indeterminada, até que este esteja em dia com as normas de segurança.

Bombeiros civis, brigadistas e voluntários

Outra mudança é a criação do Sistema de Serviço de Segurança contra Incêndios e Emergências, previsto no Código de Proteção. A medida permite aos bombeiros militares mobilizar e coordenar bombeiros civis, voluntários, brigadistas e guarda-vidas para atuar em casos de desastres naturais, desabamentos, incêndios e outras emergências.

Em abril do ano passado, o comando da corporação emitiu uma portaria que exigia o credenciamento das escolas de formação de bombeiros civis, de forma a garantir a qualidade das práticas e técnicas ensinadas. Com a nova lei, a exigência passa a fazer parte da constituição estadual.

Recursos

O Código Estadual de Proteção Contra Incêndios e Emergências autoriza a criação de um Fundo Estadual de Segurança contra Incêndios e Emergências (FESIE). Os recursos serão captados por meio de arrecadação das multas, doações de pessoas físicas ou jurídicas, taxas decorrentes das atividades de segurança, entre outros. O FESIE será destinado à compras de novos equipamentos, modernização do serviço e divulgação de práticas e dicas de segurança do Corpo de Bombeiros.

O projeto para criação do código foi enviado pelo governador em maio de 2014 e aprovado no mês passado pela Assembleia Legislativa (Alesp). O Código Estadual de Proteção Contra Incêndios e Emergências de São Paulo entra em vigor em seis meses.