All posts by abspk

Tubulações para sprinklers

Artigo Tubulações para Sprinklers

Antes de começar a descrever cada uma das possíveis tecnologias para instalações de redes de sprinklers, é importante salientar que todo projetista ou instalador deve estar atento aos aspectos normativos re­ferentes aos tubos e conexões que esco­lher antes de especificá-los em um pro­jeto ou iniciar a instalação. No Brasil, a norma que especifica os requisitos técni­cos dos materiais é a ABNT NBR 10.897 – Sistemas de proteção contra incêndios por chuveiros automáticos. Sendo assim, todas as tecnologias citadas neste artigo e demais normas de referência encontram anteparo neste documento.

A seguir, encontra-se uma descrição sucinta de cada uma das principais tec­nologias disponíveis para instalação de redes de combate a incêndio por chuvei­ros automáticos.

AÇO AO CARBONO
O aço ao carbono é um produto tradi­cional e facilmente encontrado no mer­cado brasileiro. Esta tecnologia contem­pla a utilização de conexões roscadas e soldadas. É uma excelente escolha para obras nas quais não há grande complexi­dade de execução e os prazos de entrega não são apertados.

Os tubos de aço devem ser conforme norma ABNT NBR 5.580 – Tubos de aço-carbono para usos comuns na con­dução de fluidos – ou ABNT NBR 5.590 – Tubos de aço-carbono com ou sem solda longitudinal, pretos ou galvanizados. As conexões com terminais roscados devem ser em ferro fundido maleável, de acor­do com a ABNT NBR 6.943 – Conexões de ferro fundido maleável, com rosca – e NBR 6.925 – Requisitos de projeto e uti­lização das conexões roscadas em ferro fundido maleável, para uso em tubulação.

As conexões de aço destinadas à solda devem obedecer à norma internacional ANSI B16.9, que estabelece os requisitos dimensionais e de tolerância para estes produtos. Ainda sob o aspecto normati­vo é importante estar atento ao fato de que a utilização de conexões com uniões roscadas não pode ocorrer em tubulações de diâmetro maior que DN 50.

As principais vantagens na utilização deste produto são notadas na boa oferta de mão de obra, em especial para insta­lação de sistemas roscados, devido a dé­cadas de aplicação desta tecnologia no Brasil, e também na disponibilidade de diferentes marcas e fabricantes nacionais. Na utilização de uniões soldadas diver­sos aspectos técnicos, métodos e proce­dimentos devem ser observados, o que implica na utilização de mão de obra qua­lificada e com grande experiência, se tor­nando um desafio em algumas situações.

As desvantagens da utilização deste produto tomam-se visíveis à medida que novas tecnologias, mais leves e resisten­tes à corrosão, se tornam disponíveis no mercado. De fato, toda tubulação de aço ao carbono deve receber atenção especial na pintura, que não é uma simples ques­tão de identificação da rede de combate a incêndio, mas um aspecto importante na proteção da tubulação contra oxidação.

Leia a matéria completa na Edição de Maio / 2018 da Revista Emergência.

 

Por: Rafael Turri
Mestre em Ciência e Tecnologia dos Materiais pela UNESP Sorocaba
Integrante do Comitê Técnico da ABSpk – Associação Brasileira de Sprinklers

 

Tragédia em São Paulo

desabamento1-418x235

A ABSpk lamenta o incêndio ocorrido, ontem, no largo do Paissandu, em São Paulo, e se solidariza com as vítimas e com as famílias envolvidas desta tragédia.

Reforçamos, mais uma vez, a importância de pensarmos em proteção contra incêndios.

Existe legislação e normas que tratam de requisitos mínimos de projeto e instalação, e estes devem ser atendidos para que eventos como esse deixem de ser corriqueiros em nossos noticiários.

Não cabe à ABSpk julgar e apontar culpados. Mas, no caso do edifício Wilton Paes de Almeida, eram sabidas as irregularidades e, mesmo assim, dezenas de famílias habitavam o local.

Medidas de proteção que restringem a propagação de um incêndio – como compartimentação vertical e horizontal, ou a utilização de materiais resistentes ao fogo na construção – não existiam no local, por se tratar de edificação muito antiga, construída quando estas não eram exigidas, ou por degradação na maneira que estava sendo ocupada.

O Corpo de Bombeiros de São Paulo já havia alertado para a falta de hidrantes, extintores e até mesmo para a falta de cuidado nas instalações elétricas, que foram adaptadas ao longo dos anos.

Aparentemente, não existiam sistemas de sprinklers (chuveiros automáticos) instalados, e se existiam não eram mantidos corretamente, pois seriam, com certeza, responsáveis por conter o fogo logo em seu início, permitindo a evacuação total até a chegada e extinção pelo Corpo de Bombeiros.

Infelizmente, este não foi o primeiro incêndio do ano, tampouco será o último. Nem mesmo o único incêndio deste 1º de maio, apenas o mais noticiado. Incêndios acontecem aos montes durante todo o ano, e o que mais se apura é a falta de proteção adequada por negligência, ausência de conhecimento ou economia.

Quando estamos tratando de vidas o assunto é muito sério, não deve existir racionamento de recursos e somente empresas sérias devem ser consideradas.

Diariamente, a realidade está estampada nos noticiários: incêndios acontecem aos montes, muitas vezes, sem alerta prévio. Neste episódio, já estava avisado há tempos!

A ABSpk enquanto Associação defende aplicação de normas e requisitos técnicos estabelecidos para a proteção contra incêndios. Este é único caminho para a preservação do patrimônio público e principalmente para salvaguardar vidas!

 

Side by Side Burn de Goiânia mostra resistência do CPVC

sbs-setembro-2017
Cerca de 400 participantes assistiram ao ensaio Side-by-Side Burn realizado pela ABSpk no dia 15 de setembro, em Goiânia, durante o CIBE Brazil – Congresso Internacional de Bombeiros e Emergências.

A atração dessa vez foi o uso de tubulações com CPVC em vez de aço carbono nos sistemas de sprinklers. “Embora o CPVC exija um maior número de suportes durante a fixação, pois com o calor, o plástico tende a fletir, esse material é mais rápido e fácil de ser instalado, além de apresentar baixo custo em relação ao aço carbono. Uma excelente opção para ambientes de risco leve”, declara José Carlos Paiva, Gerente Executivo da ABSpk.

Para mostrar a resistência do CPVC a altas temperaturas sem proteção de forro, as tubulações foram posicionadas por dentro do ambiente, e não externamente, como normalmente acontece em outros ensaios.

As associadas da ABSpk Secur, Baken Engenharia e JK Montagens apoiaram o evento com coordenação logística e instalação dos sistemas. A Amanco forneceu a tubulação em CPVC e os sprinklers utilizados durante o ensaio serão fornecidos pela Tyco através da Alvenius.

O projeto SbS (Side-by-Side burn) consiste na simulação simultânea de incêndio em 2 ambientes idênticos e dispostos lado a lado, sendo um protegido por sprinkler e outro sem proteção, visando comparar os efeitos resultantes do incêndio em cada ambiente.

 
Assista abaixo a matéria da TV Serra Dourada (SBT) veiculada no dia do evento.
 

ABSpk realiza novos eventos Side-by-Side no mês de Junho

Side-by-Side burn - Junho 2017

Depois do sucesso dos primeiro eventos Side-by-Side realizados em 2016 e no início de 2017, a ABspk realizou, no mês de junho, novos eventos Side-by-Side burn nos Estados da Bahia e Rio Grande do Sul.

O projeto SbS (Side-by-Side burn) consiste na simulação simultânea de incêndio em 2 ambientes idênticos e dispostos lado a lado, sendo um protegido por sprinkler e outro sem proteção, visando comparar os efeitos resultantes do incêndio em cada ambiente.

 
Assista abaixo aos vídeos realizados durante os eventos de junho de 2017:
 

 

Posicionamento da ABSpk quanto aos bicos de sprinkler comercializados sem certificação no Brasil

São Paulo, 25 de abril de 2017.

Carta aberta ao mercado brasileiro de combate a incêndio

Prezados senhores, vimos respeitosamente através desta carta manifestar a preocupação da ABSpk quanto aos bicos de sprinkler comercializados sem certificação no mercado brasileiro.

Temos informações através de nossos associados e por levantamentos feitos com base em dados publicamente disponibilizados pela Receita Federal do Brasil que o volume de bicos de sprinkler importados sem certificação tem tido sua comercialização praticada de forma crescente nos últimos anos, sendo aplicados em instalações de chuveiros automáticos em diversas cidades no Brasil.

Não nos compete arbitrar sobre quais produtos o mercado deve ou não vender, mas como associação que busca um mercado técnico, profissional e ético, nos cabe neste momento alertar a todos que operam no mercado de combate a incêndio que bicos de sprinkler sem certificação podem causar sérios danos incluindo a perda de vidas humanas.

Não se deve instalar um bico de sprinkler o qual não se pode garantir o funcionamento no momento de um incêndio. Se a edificação está protegida por chuveiros automáticos, há uma preocupação estrutural advinda das condições de uso da mesma seja em função da dificuldade de evacuação ou mesmo de um desenvolvimento rápido de um incêndio.

No nosso último congresso de sprinklers realizado em outubro de 2016 na cidade do Rio de Janeiro, foi apresentado no painel de abertura ensaios com bicos de sprinklers sem certificação de duas edificações no estado de São Paulo. Os bicos foram ensaiados nos laboratórios da UL e da FM nos EUA e apresentaram índice de falhas próximo de 50% onde seriam admitidos menos de 1%. Os bicos falham inclusive em testes de temperaturas pois se decompõem.

A ABNT NBR 10897 indica que os bicos de sprinklers devem ser certificados. Atualmente temos para certificação de bicos de sprinkler a ABNT NBR 16400, norma que foi totalmente construída com base nos requisitos da UL, FM e ISO.

As legislações de prevenção contra incêndio no Brasil em sua TOTALIDADE adotam a ABNT NBR 10897 como norma de referência para projetos de chuveiros automáticos e a maioria das normas indicam que na ausência de critérios definidos pela ABNT deve-se usar as normas da NFPA. Todas as normas da NFPA indicam que bicos de sprinkler tem que ser certificados.

O Código de defesa do consumidor no seu artigo 39°, parágrafo VIII, traz que:
Art. 39. É vedado ao fornecedor de produtos ou serviços, dentre outras práticas abusivas:
VIII – colocar, no mercado de consumo, qualquer produto ou serviço em desacordo com as normas expedidas pelos órgãos oficiais competentes ou, se normas específicas não existirem, pela Associação Brasileira de Normas Técnicas ou outra entidade credenciada pelo Conselho Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial (Conmetro);

A ABSpk, através desta carta, “dá ciência” a todas as empresas que estão comercializando no mercado brasileiro este tipo de produto sobre a importância e necessidade de se utilizar somente sprinklers certificados, de forma a trazer o conhecimento e trabalhar sempre na prevenção. A ABSpk, através de todos os seus meios de comunicação, está à disposição para melhores esclarecimentos.

Como associação reconhecida no mercado Brasileiro, somos consultados frequentemente por Corpos de Bombeiros e outras autoridades a respeito de sprinklers. Todas as nossas atividades e conhecimentos são repassados aos nossos associados através de congressos, workshops reuniões e afins. Esta carta será disponibilizada a todos os entes do mercado a qual tivermos acessos tais como consumidores, instadores, fabricantes, usuários e autoridades de forma que o conhecimento sobre o assunto seja amplo e irrestrito.

Atenciosamente,

João Carlos Wollentarski Júnior
Diretor-Presidente
Cel 55 31 99323-4691

Código Estadual de Proteção Contra Incêndios e Emergências

A Associação Brasileira de Sprinklers (ABSpk), participa aos associados e demais integrantes do mercado de Proteção e Combate a Incêndio que encaminhou por meio de minuta o posicionamento formal de apoio do Governo do Estado de São Paulo na Consulta Pública que trata da Lei Complementar no. 1.257, de 6 de janeiro de 2015, que institui o Código Estadual de Proteção Contra Incêndios e Emergências.

Por este ato, a diretoria da entidade entende que cumpre importantes princípios que norteiam sua atuação. Primeiro, esclarecer sobre os reais riscos de perdas materiais e humanas aos quais a sociedade está exposta; segundo, orientar quanto à necessidade de um decreto que contemple a exigência de dispositivos de segurança e prevenção certificados de forma compulsória; em terceiro, posicionar-se em prol de condições de igualdade de competição entre produtos nacionais ou importados, por meio da padronização de processos de produção e regulamentação de utilização. Em sua manifestação, a ABSpk deixa explícito que apenas desta forma a sociedade estará livre da falsa sensação de segurança que os produtos não certificados, falsificados e sem qualidade proporcionam.

O prazo para manifestação de pessoas físicas e jurídicas na Consulta Pública expira HOJE (08 de fevereiro de 2017). É muito importante a participação e o apoio de cada um de nós com alegações que possam vir a complementar, corrigir e validar o atual texto para que o decreto seja aprovado. Para participar, basta acessar o link: http://www.protecaocontraincendiosp.com.br/.

Expo PredialTec 2016 – VII Feira de Tecnologias para Sistemas Prediais

Expo Fórum PredialTec

Será realizada entre os dias 12 a 14 de julho de 2016 a Expo PredialTec 2016 – VII Feira de Tecnologias para Sistemas Prediais, em conjunto com o I Fórum PredialTec 2016. O evento será realizado no Pavilhão Oeste do Palácio de Exposições do Anhembi, em São Paulo – SP.

A VII edição da ExpoPredialTec passa a integrar os mais importantes segmentos do setor predial: Automação Residencial/Predial, Elétrica, Hidrossanitária, Montagens Eletromecânicas, Energia Solar, Energia Eólica, HVAC, Incêndio, Gás, Segurança Eletrônica, Áudio e Vídeo, Climatização, Fotovoltaica, Iluminação, Elevadores, Redes e Internet das Coisas.

A exposição estará ancorada pelo I Fórum PredialTec 2016, e pelo Fórum AURESIDE, enfim, um grande e importante seminário técnico com temas relevantes dos principais players do seguimento predial.

A ABSpk convida a todos para prestigiarem o Fórum PredialTec 2016 e participarem do painel de Instalação de Incêndio.

O link para inscrição gratuita para as palestras é www.revistadainstalacao.com.br/forum. Os inscritos devem digitar no campo apropriado da ficha de inscrição o nome ABSpk.

Confira neste link a programação oficial do fórum.

ABSpk realiza seu 2º evento Side-by-Side burn

Side-by-Side burn - Franco da Rocha - SP

Depois do sucesso do primeiro evento Side-by-Side burn da América Latina realizado pela ABSpk na cidade de Paulínia – SP no último dia 13/04, a ABspk realizou, em 26/04, na Escola Superior de Bombeiros de Franco da Rocha, município de Franco da Rocha – SP, o seu mais recente evento Side-by-Side burn.

O projeto SbS (Side-by-Side burn) consiste na simulação simultânea de incêndio em 2 ambientes idênticos e dispostos lado a lado, sendo um protegido por sprinkler e outro sem proteção, visando comparar os efeitos resultantes do incêndio em cada ambiente.

 
Assista abaixo ao vídeo realizado durante o evento:
 

ABSpk realiza primeiro evento Side-by-Side burn da América Latina

SbS Paulínia

A ABspk realizou no último dia 13/04, no município de Paulínia – SP, o primeiro evento Side-by-Side burn da América Latina.

O projeto SbS (Side-by-Side burn) consiste na simulação simultânea de incêndio em 2 ambientes idênticos e dispostos lado a lado, sendo um protegido por sprinkler e outro sem proteção, visando comparar os efeitos resultantes do incêndio em cada ambiente.

 
Assista abaixo ao vídeo realizado durante o evento:
 

Incêndio em delegacia no Centro do Rio

Incêndio em delegacia de polícia do Rio de Janeiro

Corpo de bombeiros informou que estabelecimento tem risco estrutural.
Polícia Civil faz perícia para identificar a causa das chamas.

Um incêndio atingiu na manhã deste sábado (19) o terceiro andar da 5ª DP, na Rua Gomes Freire, Centro do Rio. O Corpo de Bombeiros foi acionado por volta das 6h30 para o local e conseguiram controlar as chamas.

O estabelecimento foi totalmente interditado porque há risco estrutural, de acordo com os bombeiros. Os vidros das janelas do terceiro pavimento estouraram por causa das chamas.

Ninguém ficou ferido no episódio ou durante a ação dos bombeiros. Ainda não se sabe o que pode ter causado o incêndio no local. Uma equipe da Polícia Civil estava na delegacia, por volta das 9h30, para realizar uma perícia.

A Rua Gomes foi interditada para a ação dos bombeiros. Funcionários da CET-Rio estavam no local para auxiliar os motoristas que passavam pela região.